Por que apoiamos a Alianza Educativa

Daniel Uribe, diretor
Elisa Mansur, diretora

A Plataforma Filantrópica VélezReyes+ existe para aumentar o acesso igualitário a oportunidades na América Latina e para realizar o potencial da região. Para isso, precisamos ter a ousadia de pensar e fazer diferente ao mesmo tempo em que temos a humildade de experimentar soluções novas e inovadoras para os desafios mais urgentes do nosso sistema educacional. E é por isso que decidimos apoiar a Alianza Educativa ("AE"), uma organização sem fins lucrativos que opera escolas públicas de concessão em Bogotá, na Colômbia. 

Por meio de uma parceria público-privada, a Alianza administra escolas públicas de Ensino Fundamental e Médio em comunidades vulneráveis de Bogotá, na Colômbia, focando não apenas em melhorar os resultados de aprendizagem dos alunos, mas também em garantir o desenvolvimento socioemocional e o bem-estar dos estudantes. Como uma organização privada que administra escolas públicas, o chamado "modelo de escolas em concessão", a Alianza tem a liberdade de fazer exatamente isso: testar novas abordagens dentro de sua rede que, quando comprovadas bem-sucedidas, podem ser disseminadas para outras escolas públicas, impactando positivamente o sistema. Assim, apoiar a Alianza representa uma oportunidade de promover a inovação na operação de escolas públicas de Ensino Fundamental e Médio, especialmente em um momento em que elas foram significativamente afetadas pela pandemia da COVID-19 e o consequente fechamento de escolas.

Na Colômbia, mesmo antes da pandemia, a desigualdade nos resultados educacionais entre escolas privadas e públicas é evidente. Apesar de atenderem mais de 80% dos alunos do país, as escolas públicas têm desempenho acadêmico consistentemente inferior às privadas, como mostram os resultados tanto do teste nacional padronizado Pruebas SABER 11 quanto do exame internacional PISA. As escolas públicas também apresentam maior percentual de repetência e turmas maiores do que as escolas privadas do país. 

Esse cenário de resultados desiguais entre escolas particulares e públicas é ainda mais preocupante pois entendemos que essa desigualdade agrava as desigualdades socioeconômicas. Dados do Pruebas SABER em 2015 mostraram que a maioria (~90%) dos alunos de famílias que recebem menos de um salário mínimo frequentam escolas públicas, enquanto que a maioria (~90%) dos alunos de famílias que recebem cinco ou mais salários mínimos frequentam escolas particulares. Na verdade, os pesquisadores Juan Camilo Cárdenas, Leopoldo Fergusson e Mauricio García Villegas descrevem o sistema educacional colombiano em seu livro “La Quinta Puerta” como aquele que sofre de um “apartheid educacional: um sistema educacional segregado que reproduz classes sociais e a desconfiança que existe entre elas .”   

Acreditamos que os alunos de escolas públicas devem ter acesso às ferramentas, redes e experiências que lhes permitam se tornar membros ativos de suas comunidades e prosperarem durante suas vidas. E é isso que a Alianza Educativa vem fazendo nas últimas duas décadas.

Fundada no ano 2000 por quatro das principais instituições educacionais colombianas (Colegio Los Nogales, Colegio San Carlos, Universidad de Los Andes e Gimnasio La Montaña), a Alianza tem a missão de que "todo aluno deve aprender". Atualmente, a organização administra 11 escolas públicas em cinco das regiões mais vulneráveis de Bogotá, atingindo cerca de 11.800 alunos de baixa renda. Para contextualizar, 50% das famílias atendidas pela AE têm renda média que não ultrapassa um salário mínimo, e apenas 38% das mães dos alunos possuem ensino médio completo. Da mesma forma, 9% das famílias foram deslocadas pela violência e 8% foram vítimas de conflitos armados. 

Na VélezReyes+, ficamos entusiasmados ao conhecer a abordagem da Alianza e principalmente os resultados alcançados. O modelo de oferta educacional da Alianza é baseado na educação integral que vai além do desempenho acadêmico, abrangendo também o engajamento comunitário e o desenvolvimento socioemocional. A abordagem da rede também se baseia na formação integral dos professores e na eficiência operacional, com uma estrutura de escritório central que fornece orientações pedagógicas e gerenciais e apoio às escolas.

Ao longo dos anos, essa estratégia provou ser bem-sucedida uma vez que os alunos da Alianza superaram as notas médias de seus colegas de escolas públicas em Bogotá e no resto da Colômbia. Por exemplo, no ranking escolar de 2020 de Bogotá, 5 das 11 escolas administradas pela Alianza estavam entre as 25 melhores escolas públicas da cidade, de um total de ~400 escolas. Academicamente, os resultados dos alunos da Alianza no Pruebas SABER 11 também superaram os dos alunos do país e de Bogotá. Em comparação com as médias da cidade e do país, a Alianza reduziu com sucesso as taxas de evasão escolar, promoveu taxas mais altas de transição para o ensino superior, reduziu as taxas de gravidez na adolescência, agressão na escola e uso de drogas e armas.

Estamos tão animados com os resultados que as escolas da Alianza conseguiram alcançar que adoraríamos espalhar esse conhecimento por toda a região. Por isso, estamos apoiando a Alianza Educativa na sistematização de seu modelo em parceria com a One World, uma organização sem fins lucrativos que ajuda a fortalecer escolas particulares de baixo custo e escolas em concessão de todo o mundo para melhorar os resultados dos alunos. A One World codificará (e refinará) as melhores práticas da Alianza - o chamado "Alianza Way" - e criará um manual de gestão escolar que incluirá as melhores práticas acadêmicas e operacionais da Alianza, complementadas com algumas das melhores práticas globais em gestão escolar. Esse manual será implementado nas escolas de baixo desempenho da rede e, em seguida, será um recurso open source para qualquer instituição educacional na Colômbia e no resto da América Latina.

Estamos confiantes de que o trabalho entre Alianza e One World, bem como o manual que será produzido como resultado desta colaboração, será uma semente esperançosa para estimular a inovação na forma como operamos as escolas e para enfrentar os desafios educacionais mais urgentes de Bogotá, da Colômbia e também de toda a região latino-americana.